terça-feira, 18 de janeiro de 2011

O caminho da graça: texto de apenas um parágrafo


A igreja que Lutero resolveu reformar era podre e imatura. O certo era não aproveitar a estrutura do clero católico. Uma casa nova deveria ter sido construída e colocada à disposição daqueles que estavam com sede de Deus. O ruim é que ao propor uma reforma ele teve que obrigatoriamente colocar resquícios de uma cada antiga naquela que deveria ser completamente nova – a intenção era boa, mas parte da casa velha, doutrinas e práticas católicas, inclusive de idolatria e políticas de bastidores, foram aproveitadas sem perceber. Era a chance de voltar às raízes apostólicas. Suficiente teria sido ler a bíblia, olhando para o que Jesus fez junto aos seus discípulos, acrescentar o que foi escrito pelo apóstolo Paulo, mas não apenas o que escreveu e sim aquilo que viveu, principalmente no livro de Atos. Assim teríamos uma igreja que voltando às raízes, tendo uma vida completa em Cristo. Utopia esta minha... Uma igreja livre de doutrinas e cheia de Cristo. Quanto mais doutrinas mais longe estamos de Cristo. Acho que não tem mais volta... Como dá pra voltar se nos esquecemos completamente do caminho? Precisamos da ajuda Senhor Jesus, não sabemos o quanto. Será que dá para colocar na ponta do lápis quantas vezes pecamos em apenas um dia e ver o quanto ainda estamos distantes dos planos daquele que nos inunda de seu extremo amor? São palavras faladas que apenas servem para dividir o Reino de Deus e afastar os membros que deveriam complementar uns aos outros. Até mesmo quando as mentiras evangélicas são contestadas a sabedoria deveria imperar. Quem não está preparado para ouvir ou está alicerçado em comportamentos humanos, acaba se afastando de Deus por não entender que Cristo não é parte de nenhuma destas guerras entre irmãos que temos assistido no mundo inteiro. Isso não vem de hoje, estende-se pela nossa miserável história. Ainda que pareçam verdadeiras elas não podem ser ditas por ninguém. Quem nunca errou que atire a primeira pedra. Poderiam ser faladas em outro contexto, até mesmo com versículos bíblicos, sem citar nomes para não suscitar divisão entre irmãos. Não somos livres de julgamentos, não somos e nem podemos pretender ser Deus. Será que ainda sabemos adorar a Deus e olhar diretamente para Seu Santo Altar?  Ainda dá para colocar a vida em direção ao caminho que nos foi ensinado? Em dias de choro e angústia. Somos ingratos a todo tempo. Ainda bem que mesmo assim sempre Deus nos ensina a verdade. Ainda não aprendemos que o supremo amor só há em Cristo Jesus. Não estamos maltratando apenas as pessoas que estão a nossa volta. Esquecemos que apenas em Cristo existe vida e não somos capazes de ensinar o caminho perfeito para outras pessoas – apenas quem nunca pecou é que pode fazer isso sem ter medo de errar. Com nossos caminhos pautados na desgraça pecaminosa, nem dá para pensar o quanto somos impuros para dizer o que devemos fazer. Temos magoado as pessoas que estão conosco. Somos arrogantes... Somos inconstantes... Por mais que nos esforcemos não conseguiremos mudar, apenas em Cristo. Pode nos ajudar antes que a raça humana perca a vida conquistada ao longo dos séculos? Pode nos dizer o quanto ainda precisamos deixar de fazer o mal que não queremos fazer? Não mais nos reconhecemos. Apenas Sua luz pode tirar de nós o que nos afasta de seu supremo amor. Pode nos tirar do mar de solidão? O perdão vem apenas quando sabemos pedir na mais absoluta sinceridade. Quase nada na vida vem sem que a gente mereça. Sou contra radicalismos. Na maioria das vezes apenas revela a imensidão de pecados que há que cada um de nós. Ninguém pode ser capaz de dizer o que cada um deve fazer ou não fazer. Quem somos nós para responder perguntas que até mesmo Deus se calou a nada disse sobre elas? Dá para fugir de nossa natureza pecaminosa e fingir que nada aconteceu? Todos os dias nos faça ter de alcançar o perdão para poder ao menos ficar em paz. Em apenas uma oração dá para resumir tudo necessitamos enquanto seres humanos. Vivendo nos erros que deseja nos aprisionar, sentindo as dores que almejam nos marcar. Encontramos o caminho na Graça de nosso Senhor Jesus Cristo. Apenas ele consegue mostrar o caminho que já nos esquecemos por nos acharmos grandes demais para ajoelhar aos pés Dele. Pra fechar quero mostrar uma das coisas que ainda me escandaliza por parte daqueles que se chamam servos de Deus e na verdade são servos do dinheiro, para não dizer de Satanás. 

7 comentários :

  1. Filho muito boa sua aplicação e seu conceito da igreja hoje. Tome cuidado ao mencionar acerca das doutrinas, pois em hipotes alguma, uma doutrina baseadas nas verdades biblicas nos afasta de Deus, muito pelo contrário, quanto mais conhecemos a Cristo e estudamos sobre ele, mais nos achegaremos a Ele. Tome cuidado tambem, ao associar o contexto histórica da reforma e as ideias de Lutero. Em uma outra oportunidade, poderemos conversar sobre isso, mais de ante-mão uero lhe dizer que seus argumentos em relação ao contexto histórico da reforma, foram falaciosos.
    No mais, muito boa obsrevação, Deus continue te abençoando e te usando.
    Abraços!!!

    ResponderExcluir
  2. Podemos conversar sim sobre estas questões... Agora, o contexto da reforma é o contexto da história. Em meu texto não associei as ideias de Lutero com o que estava acontecendo em sua época, disse apenas que ele aproveitou a estrutura de uma casa que não praticava o evangelho. Ou vai dizer que se olharmos para as igrejas históricas, ainda mais se fizermos um estudo aprofundado, não veremos certa semelhança com a Igreja Católica, até mesmo em vestimentas e liturgias. Meus argumentos foram falaciosos em sua opinião. De todo modo, respeito o que colocou. Porém, quero promover junto com você uma reflexão. A história sempre é contada por quem? Olhamos qual versão histórica? A Reforma Protestante se assemelhou com a Igreja Primitiva? As Igrejas Históricas contribuíram de alguma forma para o nascimento das Neopentecostais? Na verdade, vou usar uma frase do Leonardo Boff: um ponto de vista é uma vista sobre um ponto. Foi isso que fiz. Falei meu ponto de vista acerca de um aspecto bem importante da história. Não é isso que a ciência faz? Ela interpreta a realidade... Teologia não é ciência? Bem, quanto às doutrinas, tenho uma opinião de que hoje em dia é bem difícil ver doutrinas que são resultado daquilo que podemos ver na Bíblia. Se pensarmos que a palavra doutrina também significa ensinamento. Quais são os ensinamentos humanos que não estão carregados de interesses institucionais? Aliás, em suas palavras você disse que quanto mais conheço Jesus e estudo acerca dele, mais nos achegamos. Isso é inquestionável... Mas isso não se traduz em uma doutrina. Não é algo que necessita de um intermediário (João 5:39). O que devemos ter cuidado é para não continuar perpetuando uma história que nem paramos para observar, apenas reproduzimos o que foi dito.

    ResponderExcluir
  3. Caro irmão, com certeza é muito mais proveitoso discutir isso pessoalmente, pois assim as ideias ficam mais claras. Em primeiro lugar, Se vc quer analisar o contexto da reforma, volte no minimo três séculos antes, dai sim, estará no contexto. Segundo, vc levantou questões que não condizem com aquilo que escrevi e muito menos o que estava dizendo acerca do escrito. A história é sempre contato por quem a fez, ou vivenciou-a. Qual versão histórica olhamos? Qual versão histórica vc conhece? Que ponto de vista da história que vc estudou ou conhece? A tônica da reforma não é se asemelhar a igreja primitiva, outrossim, imitá-la, ou melhor dizendo, voltar a igreja ao que sempre foi. A qual igreja histórica vc se refere? Anglicana, Luterana, Presbiteriana, Batista, Ortodoxa? Sim concordo que a ciência mostra seu ponto de vista acerca de um ponto, mas nessa de mostrar seu ponto de vista sobre um ponto, muitos dos argumentos da ciência são falaciosos (Existência de Deus é um exemplo). Em momento algum disse que a teologia não era ciência, leia com atenção meu comentário, e não se apegue as criticas, mas no contexto. Não compare as doutrinas sólidas que os apóstolos pregaram, que Clemente, Agostinho, Inacio, Pastor de Hermas tanto prezaram, com o que vemos hoje, pois se assim o fizermos, poderiamos dizer que hj não existe evangelho. Vc citou Jo 5.39 para compravar seu argumento? Se assim o fez novamente, surgiu um argumento falacioso, pois o próprio Jesus nos deixou uma gama de ensinos maravilhosos, de como um crente regenerado deve ser. Por outro lado ninguem esta perpertuando uma história, pois se pararmos para observar a ideia de Lutero não era criar o protestantismo, a ideia de Wesley não era criar a Igreja Metodista, Calvino não tinha em mente a igreja presbiteriana, os morávios, não tinham intenção alguma de preparar o caminho para os puritanos, e assim sucessivamente. Se reproduzirmos o que foi dito, não temos ciência e sim copias, agora se quiser olhar a história de uma maneira coerente, olhe-a de ambos os lados. Abraços irmão!! Vamos marcar de se encontrar na casa do Julio e conversaremos melhor.

    ResponderExcluir
  4. É que a próxima resposta não cabe aqui. rsrsrsrsrsrs.

    ResponderExcluir
  5. rafael.naraujo@hotmail.com....
    Entendo...o problema de se discutir isso por aki, é isso, sempre queremos colocar respostas maiores..kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk...
    Tamujunto irmão!!!!

    ResponderExcluir
  6. Já te add no msn... Escrevi um texto, mas tamo aí... Depois nos falamos... Me siga lá no twitter @jeanmello12

    ResponderExcluir

Sua opinião é importante.
-Não Publicamos Criticas de anonimos. Quer criticar? identifique-se!

- Não use "CAIXA ALTA"

- Antes de comentar, tenha certeza de que você entendeu o que acabou de ler, para que possa fazer um comentário relevante e dentro do contexto.

-Posts com ofensas a usuários e ao blog não serão publicados.

Para os "Crentássos alienados"
-Se você vier com aqueles papinhos de "Não toqueis no ungido do Senhor"! Segue nossa resposta prontinha pra você.
http://oproponente.blogspot.com/2010/01/nao-toqueis-no-ungido-do-senhor.html

Comente e volte para ver a resposta.
Obrigado pela visita